Buscar
  • marianafrancomague

Análise | A Vida Sexual das Universitárias : 1ª temporada - A filha de Sex Education com Eu Nunca !

Imagine uma série que aborda a vida de jovens adultos utilizando do tom didático e ao mesmo tempo ácido de Sex Education, e da comédia que beira a vergonha alheia de Eu Nunca, pois essa produção existe, e já foi renovada para o seu segundo ano! Então vem saber tudo sobre A Vida Sexual das Universitárias.


Um show de estereótipos.... à primeira vista


A série acompanha quatro calouras na renomada universidade Essex, que viram colegas de quarto, no entanto, elas não poderiam ser mais diferentes umas das outras. Temos Kimberly (Pauline Chalamet) a menina de cidade pequena que não tem uma condição financeira tão boa quanto as de suas amigas.


Whitney (Alyah Chanelle), uma talentosa atleta que é assombrada pela reputação da mãe senadora; temos Bela (Amrit Kaur), que sonha em ser comediante, e pode acreditar que ela tem talento para a a coisa; e, para finalizar nosso quarteto, temos Leighton (Reneé Rapp), que é a típica patricinha de Nova York escrota com todos.


Depois dessa premissa, você deve estar pensando que é a serie mais clichê do mundo, mas, pode confiar em mim quando digo que essas máscaras não duram nem o primeiro episódio inteiro, aliás, isso é uma das maiores qualidades da série, pois são 10 episódios de 25 minutos cada, e absolutamente todos eles são importantes.



Lançamento semanal é para poucos


A senhorita HBO Max fez uma escolha acertadíssima ao escolher três episódios por semana, pois, como eu disse, a história flui muito bem e com capítulos tão curtos seria muito fácil assistir a temporada inteira em um dia, fazendo com que o hype passasse bem rápido. Agindo dessa forma, o público teve muito mais tempo para se apegar as personagens.


A química entre as quatro protagonistas é inegável, quando elas estão em tela, seja as quatro juntas ou em duplas, o espectador não consegue desviar o olhar. Todas tem suas tramas individuais, mas a relação de confiança criada durante a temporada é o fio condutor de tudo. Todas se apoiam, até mesmo Leighton, que no começo se mostra arrogante, é a que mais tem esse instinto protetor com as colegas.


Aquela linha tênue entre ser ácido e ser ofensivo


Se você já assistiu Eu Nunca, já sabe o tipo de humor que vai encontrar na série do HBO Max, pois ambas são criação de Mindy Kaling, então pode esperar piadas bem politicamente incorretas, mas que tem um fundo de critica social, coisa que pode passar despercebida para olhos menos atentos.


Os comentários mais ácidos vêm em sua maioria de Bela, que, segundo a criadora, é quase uma personagem biográfica, e dos personagens masculinos (esses sim um pouco estereotipados mesmo), pois não nos aprofundamos muito neles. A única exceção é Nico, irmão de Leighton, vivido por Gavin Leatherwood (Mundo Sombrio de Sabrina), mas ainda assim não vemos tanto do seu desenvolvimento, o que parece que ficará para a segunda temporada.


Informativo sem apelar para palestrinha


Com um titulo tão sugestivo, já era de se esperar que educação sexual seria abordada, mas indo na onda de Sex Education, ninguém tenta enfiar conceitos goela abaixo aqui. Óbvio que existiram certas romantizações, mas, de maneira geral, tudo é levado com naturalidade, como deveria ser na vida real.


A Vida Sexual das Universitárias entrega uma trama interessante, personagens cativantes e engraçados, toca em assuntos raramente abordados em série de TV, e ainda de quebra você irá aprender sem nem notar.



0 comentário