Buscar
  • @luigienricky

Análise | Aggretsuko: Temporada 4 - A vida do assalariado não é fácil!

Atualizado: 3 de jan.

Aggretsuko é simplesmente uma obra de arte contemporânea e aquele tipo de série que é consumida de uma vez, sem respirar, dado a qualidade impecável da obra como um todo, seja na criação dos personagens, roteiro, dilemas ou diálogos (dublador do Flash, corre aqui...). Em seu quarto ano na Netflix, a Sanrio mostra mais uma vez que sempre consegue inovar nos assuntos e nas suas histórias além de ser totalmente capaz de fazer animações para o público adulto.

Qualquer um que já trabalhou CLT se sentirá conectado aos personagens

Entre o amor e o trabalho


Depois de arrumar um namorado virtual, abrir um canal de Death Metal no Youtube e fazer parte de uma girl band, parece que Retsuko finalmente encontrou a paz em ser solteira e trabalhar. Ao ter a chance de experimentar todas essas coisas da forma mais extrema e irresponsável possível, nossa querida panda vermelha da contabilidade resolveu que só quer trabalhar e sobreviver como todo assalariado médio com registro na carteira de trabalho quer.


Acontece que depois de sofrer um acidente enquanto fazia uma caminhada, o diretor da empresa precisa se afastar e chama para assumir seu papel uma pessoa que tem intenções muito suspeitas. Esse novo diretor decide que as regras precisam mudar, funcionários precisam ser demitidos e "coisas" precisam ser feitas para que a empresa não quebre, e é justamente com a ajuda de Haida que ele conta.

Será que esses dois finalmente ficarão juntos?

Quando as coisas finalmente parecem caminhar para um relacionamento sério entre Retsuko e Haida, os problemas do trabalho começam a interferir seriamente na vida dos dois e em determinado momento, eles se encontram em lados opostos de toda a confusão criada com a chegada do novo diretor.


Um desenho para adultos


Se nas primeiras temporadas não ficava muito claro de qual público a série queria disputar a atenção, em seu quarto ano essas dúvidas são sanadas. A série assume uma identidade própria ao melhor estilo The Office, um tom mais adulto, com palavrões, bebedeira e insinuações sexuais que, embora possam parecer apelativas, só faz com que consigamos nos conectar ainda mais com os animais antropomórficos da história pois conseguimos nos enxergar através dos traços cartunescos deles. Definitivamente, não é uma série para todas as idade, mas com certeza é para todos aqueles que trabalham...


Aggretsuko não se esforça em nada na sua narrativa. Todas as situações que ocorrem são tão familiares a quem já trabalhou em qualquer ambiente coorporativo que mesmo as coincidências absurdas que acontecem no desenho correm o risco de despertar em você aquela sensação de: "Isso poderia acontecer comigo!"

Alguns personagens são deixados de lado e outros ganham mais destaque, e ta tudo bem!

É engraçado olhar para trás e perceber que aquilo que tornava Retsuko especial aos olhos do público, simplesmente se fundiu à sua personalidade e tornou-se algo quase banal (não fosse pela reviravolta que acontece), o que também é curiosos pois tenho certeza que você, ou algum amigo seu, também tem peculiaridades ou gosto bem duvidoso e que isso até possa ter aproximado vocês de outras pessoas, mas que com o passar do tempo, tornou-se só uma pequena parte do que vocês são e nem vem mais a tona quando se juntam para conversar.


O mesmo acontece com a protagonista. Ela ainda canta, ainda vai no Karokê, sabemos disso, mas é apenas uma parte pequena das camadas que compõe a personagem e se ela não fosse em alguns poucos episódios, extravasar no karaokê, essa particularidade nem faria falta pois já aprendemos a amar a personagem e tudo o que ela é e representa.

Ainda é divertido ver a Retsuko cantar, mas não é mais o mais legal sobre ela

Precisamos falar sobre o Haida


Embora a protagonista ainda seja a protagonista, o foco principal do roteiro da nova temporada é quase todo em Haida, inclusive apresentando parte do seu passado que até então era segredo para o público. Em meio a todos os problemas apresentados, ele acaba sendo o epicentro e causador de tudo, o roteiro trabalha bem o desenvolvimento do personagem que finalmente mostra mais personalidade e nos convence que devemos sim shippar ele e Retsuko.


Também é através dele, principalmente, que vemos como um ambiente de trabalho ruim pode estragar bons funcionários ou persuadi-los a fazer coisas erradas em prol da saúde da empresa (já vi pessoalmente isso acontecer). E mais uma vez, através do seu texto brilhantemente inteligente, muitas críticas são feitas às crenças, costumes e leis altamente retrogradas do Japão que são muito semelhantes com todas as coisas erradas e com os discursos safados que as grandes empresas aqui do Brasil fazem para nos pagar mal ou para ganhar lucros.

"Haida é burro, né?" - By Retsuko

Aggretsuko é uma das poucas séries que conseguem me prender e me fazer querer maratonar hoje em dia. Também é uma das únicas que só melhorou ao longo dos anos.



0 comentário