Buscar
  • @luigienricky

Análise | Boneca Russa

Atualizado: 26 de out. de 2020

Queria poder dizer que achei o máximo quando percebi do que se tratava a série logo no primeiro episódio, mas a verdade foi que torci o nariz por perceber que era só mais uma produção que trataria de uma pessoa com distúrbio mental ou traumatismo craniano que achava que tava vivendo ou mesmo dia de novo e de novo. Felizmente estava errado!


Para celebrar a segunda temporada que deve chegar em breve na Netflix, fiz essa pequena análise para você saber o que esperar e se vale a pena.

Fui assistir só por causa da indicação ao Grammy que a série recebeu em 2019 mas sem esperar por nada.


Agora que você já sabe qual a temática da série, precisa saber que este tema permanecerá em todos os episódios. Você verá Nádia (Natasha Lyonne - Orange Is The New Black) morrer pelo menos uma vez em cada capitulo. Acho importante você saber disso para não torcer o nariz assim como eu!


MAS! A série não trata apenas disso e nem fica só nisso, erroneamente considerada uma comédia, não passa nem perto de ser, mesmo que Natasha Lyonne tenha uma veia cômica ̶d̶e̶ ̶g̶o̶s̶t̶o̶ ̶d̶u̶v̶i̶d̶o̶s̶o̶, o drama que envolver a personagem é muito maior do que qualquer piada de mau gosto que possa ser apresentada.


Morrendo de novo e de novo e de novo e de novo...

Por ser uma atriz de um papel só, parece que estamos acompanhando a vida de Nick que acabou de sair de Litchfield e já se meteu num problemão!


Não acho a interprete de Nádia uma atriz ruim, mas é inegável o quanto as personagens dela são iguais. Sempre com os mesmos trejeitos, as mesmas piadas e sarcasmo e o mesmo vício em drogas pesadas. Pelo menos dessa vez, esse vício acaba se perdendo no decorrer da história devido a evolução da personagem.


Para dar um contexto da história, somos apresentados a Nádia na noite da sua festa de aniversário e conhecemos um pouco da sua rotina, amigos e jeito de viver a vida, e é aí conseguimos perceber que ela não é a melhor pessoa do mundo. Até que de repente ela morre e acorda novamente no banheiro da casa da amiga no dia da sua festa e a história se desenrola a partir daí.


Para mim, pareceu uma alusão à depressão e ao amor próprio uma vez que Nádia é uma pessoa tóxica e auto destrutiva que sempre põe em risco as pessoas que amam e a si. Quem já assistiu comenta aqui sobre o que você acha que se trata este looping temporal ao qual a personagem está presa, mas tente não dar spoiler do episódio final, combinado?


Elenco da Netflix


O elenco da série é formado por rostos muito conhecido por quem é fã de séries da Netflix, tenho certeza que você já viu pelo menos um deles por aí o que torna a experiência de assistir mais prazerosa e divertida (e fácil, por que os dois primeiros episódios são muito monótonos). Olha só:

Alan se torna amigo de Nádia por passar por situações de vida parecidas com a dela e é interpretado por Charlie Barnett (Cronicas de São Francisco, You) vivendo um hétero pela primeira vez, fiquei feliz!


Dascha Polanco (Orange is the New Black) e Jeremy Bobb (Jessica Jones) têm uma ligação com Alan e é Nádia quem se mete para ajudar.


Yul Vasquez (Narcos - México) é o ex namorado de Nádia


Ariadne


Fui pesquisar por que diabos esse nome (que é uma peça de Shakespeare entre diversos outros significados) sempre está presente em séries que tratam de assuntos específicos como dilemas morais ou éticos entre outras coisas que não posso contar para não estragar a sua experiência. Algumas séries que falam sobre "Ariadne" por exemplo são Dark e The Good Place. Fica a dica!

Muitos personagens, mas só eles que importam


A historia principal gira em torno dos dois e o restante do elenco é um pouco desperdiçado, mas por ser a primeira temporada e primeiro contato, acredito que teremos mais dos outros personagens e talvez até um envolvimento maior na trama.


Só consegui prender a minha atenção na série quando as coisas começaram a parecer diferentes, a gente sabe que quando um personagem está vivendo o mesmo dia repetidamente, as coisas sempre acontecem da mesma forma e é o personagem que começa a mudar suas ações e escolhas, mas com Nádia não! O mundo que parece tomar rumos diferentes enquanto ela continua presa aos mesmos erros. De alguma forma parece que alguns detalhes e pessoas mudam e isso deixa o espectador mais atento e os adepto de teorias enlouquecidos, assim como a protagonista, que é uma programadora de jogos e começa a achar falhas no "código de programação do mundo" ao melhor estilo Matrix.


Se a ideia de teoria do caos, teoria da conspiração, loopings temporais e tudo de mais nerd que existe te agrada, com certeza Boneca Russa é uma série feita pra você!


0 comentário