Buscar
  • @danilomiguel08

Análise | Cavaleiro da Lua - O Avatar de Konshu chegou com tudo ao MCU

Apresentar um novo super-herói que é desconhecido de grande parte do público sempre parece assustador, só que muitos esquecem que a Marvel tem o poder de popularizar tudo o que ela quiser sem o menor medo de ser feliz.


Trazendo pras telas a conturbada jornada de Marc Spector/Steven Grant, a série se preocupa em te fazer questionar o que de fato é realidade e o que é apenas um surto na mente do protagonista que sofre com o transtorno dissociativo de identidade. Enquanto Harrow serve cegamente e busca libertar a impiedosa deusa Ammit, Marc/Steven devem impedi-lo servindo como o avatar do deus da lua Konshu e isso sem mencionar a misteriosa Layla, que está disposta a tudo para salvar o mundo desse cruel destino.

Rodrigo Lombardi ta diferente...

Apesar das duras criticas ao CGI, as locações utilizadas dão um show a parte. Seja de dia ou de noite, a cultura egípcia brilha sem nem se esforçar desde uma pintura na parede até mesmo uma trilha sonora escolhida sabiamente. Com cenas de ação satisfatórias e um pouco mais de violência do que estamos acostumados, a Disney ainda busca o equilíbrio entre o adulto e o friendly. O humor aparece na hora certa, mas aqui devemos focar no desenvolvimento e aprofundamento das personalidades - e com a atuação cósmica de Oscar Isaac - isto tornou-se mais do que possível.

CGI incomoda mais nas cenas em que Konshu aparece e Marc se transforma... Triste!

"Moon Knight"(título original) se isola de todo o resto do MCU, mas isso não significa que as conexões passadas/presentes/futuras não existem. Abordando temas como luto, depressão, transtornos de identidade e mitologia egípcia, a série introduz com louvor um dos possíveis novos pilares desse universo. Com um elenco talentoso, um episódio final de tirar o fôlego e inúmeras possibilidades, é inegável o sentimento de "quero mais" que o gran finale deixou - principalmente quando a cena pós créditos explode a sua mente.


0 comentário