Buscar
  • Renato Leite

Análise | Cowboy Bebop - Divertido, um pouco confuso e muito interessante!

Não existe neste mundo um fã que não tema pela integridade moral e física das suas obras favoritas quando ficam sabendo que ela será transportada para outras mídias. Este é um medo real, não importa se a obra original é um livro, um game, um anime ou seja o que for. Não adianta você vir com argumentos de que "a obra original continua lá", a gente sabe disso, mas qual é o problema de torcer para que as outras adaptações consigam causar em nós o mesmo sentimento? Essa é a graça no final das contas, certo? Nos últimos anos tivemos adaptações maravilhosas como Rurouni Kenshin (ou Samurai X), Detetive Pikachu e Tomb Raider mas também tivemos atrocidades como o novo Mortal Kombat e Death Note, este último produzido pela própria Netflix que também trouxe a adaptação hollywoodiana de Cowboy Bebop. Bora saber o que achamos?


Cowboys do Espaço?


Na história da série conhecemos dois piratas espaciais, Spike (John Cho - Star Trek) e Jet (Mustafa Shakir - Luke Cage), que mais tarde se juntam com Faye (Daniella Pineda - Jurassic World) e juntos partem em busca de criminosos para que possam entregar às autoridades e receber uma recompensa pela prisão dos meliantes. Justamente por essa premissa de caçadores de recompensas é que eles são chamados de caubóis.


A série acontece no futuro, ainda que não saibamos exatamente em que período, pois hora parece que é muito muito distante e hora parece que são poucos anos à frente da nossa realidade. A ambientação, embora muito divertida no que diz respeito ao conceito, às vezes perde um pouco a linha e parece que sempre estamos no mesmo planeta, mesmo que eles tentem nos convencer que viajamos anos luz para planetas diferentes, os cenários repetitivos tiram toda a magia que eu poderia esperar. Triste!

O elenco é o maior responsável por prender sua atenção. Nota 10 pra eles!

Adaptação VS Fidelidade


O que mais se ouve de reclamações em relação a animes adaptados para live action, é a tal da fidelidade com o material original. Mas até onde seguir à risca é bom? Se você pesquisar por aí verá que uma das maiores reclamações/aclamações em relação à Cowboy Bebop é justamente a fidelidade ao material original (realmente não dá pra agradar o otaku, né?). Eu não vi o anime então minha avaliação é baseado apenas no que a série me mostrou.


Em alguns momentos, fica visível as referências à obra original devido a atuações bem teatrais, característica típica de animes, principalmente no que diz respeito a Spike e Faye. Quando um novo personagem aparece no episódio final, fica ainda mais entendível o que estou falando - cheguei quase no limite da vergonha alheia ao assistir. Outra coisa que tentaram deixar fiel ao anime são as lutas, que, na minha opinião, deixaram muito a desejar, com coreografias muito ensaiadas beirando o ridículo. Foram pouquíssimas as cenas de luta que realmente me encheram os olhos.

Por outro lado, enquadramento e fotografia passam uma sensação de filmes antigos de investigação, achei ótimo!

História


O roteiro principal de Cowboy Bebop é um pouco confuso, embora saibamos que Spike é o protagonista, parece que a trama gira muito mais em volta de Jet (que é ótimo), mas enquanto somos lentamente apresentados a grande trama envolvendo o vilão, o protagonista e o Sindicato, os primeiros episódios focam apenas em alvos que precisam ser caçados e que não tem quase nenhum desenvolvimento ou relação com a trama principal, funcionando apenas como episódios soltos para encher linguiça, tentando mostrar o quanto os personagens são badass e falhando miseravelmente.


Os demais personagens secundários até tentando mostrar sua importância, mas parecem todos irrelevantes e a história fica beeeem arrastaaaaadaaaaa por pelos menos 6 dos 10 episódios. A série funcionaria melhor se fosse mais curta e rápida pois os longos episódios só serviram para me deixar entediado, confesso que até dormi durante uns 3.


Só queria exaltar a trilha sonora que é impecável e merece ser aclamada por conseguir trazer todo um clima de mistério no ar. Isso eu amei real!

Assim como a trilha sonora, a caracterização dos personagens também ficou muito boa!

E o que tem de bom?


Além da música e da caracterização, o plot da série foi realmente surpreendente, pelo menos para mim que não vi a obra original. Também tenho que dar meus parabéns para os efeitos especiais, que embora pequem em alguns momentos, na maioria das vezes achei satisfatório e a ambientação criada através do recurso conseguiu me convencer muito mais que as locações reais.


O elenco parece entrosado e passam bastante veracidade nas relações construídas. As referências, enquadramento e cenas clássicas da obra original também estão presentes, claro que devem causar uma sensação muito mais impactante em quem viu o desenho de 1998. A abertura também é a coisa mais linda.


De modo geral, a série é divertida e ainda tem potencial para se desenvolver numa possível segunda temporada. Até porque, o anime de 26 episódios teve apenas a primeira parte adaptada, deixando um gancho para sua continuação. Como fã de anime que não vê a hora de One Piece chegar ao catálogo, uma vez que será adaptado pelo mesmo estúdio, não me resta outra opção a não ser torcer pelo sucesso de Cowboy Bebop. Deem uma chance e garanto que não irão se arrepender.


0 comentário