Buscar
  • @tonfabricio

Análise | Dark - 3ª Temporada

Atualizado: 26 de out. de 2020

A aclamada série alemã chega a sua última temporada, colocando um ponto final neste drama de ficção científica que amamos tanto.


Para quem ainda não sabe, Dark foi eleito o melhor seriado da Netflix, derrotando assim outras produções como Black Mirror, Stranger Things e Peaky Blinder. A votação feita pelo site Rotten Tomatoes, que é especializada em críticas de cinema, registando mais de 2,5 milhões de votos. É ou não é um sucesso?


Que tal falarmos em como foi esse final com o mínimo de spoilers possível?

"O fim é o começo. O começo é o fim."


Por isso eu já posso lhe adiantar que a origem e o final são consequências e frutos do amor. O egoísmo é deixado de lado para que o altruísmo corrija tudo, ou talvez, crie novos caminhos.


Dark termina de forma digna, mas não quer dizer que todas as suas dúvidas serão sanadas, pois nem tudo é revelado. Segundo os criadores Jantje Friese e Baran bo Odar, seria muito mais divertido se nem tudo fosse explicado, deixando uma pequena parte da história em segredo. Dessa maneira, você vai se perguntar se realmente acabou ou se o ciclo continua a se repetir.


"Se soubéssemos como as coisas terminam... Aonde nossa jornada nos leva... Ainda assim tomaríamos as mesmas decisões? Ou seguiríamos por outro caminho? Poderíamos escapar de nosso destino? Ou será que o que esta dentro de nós nos levaria ao mesmo fim, como uma mão invisível? O caminho que seguimos importa, se sempre acabamos diante de nos mesmos?"
"O homem é livre para fazer o que quer, mas não para querer o que quer."

As frases da série citadas acima vão fazer você se perguntar se é possível alterar o passado ou se eles serão sempre destinados a viver o que já foi determinado antes.

Ao meu ver, o livre arbítrio não existe e os moradores de Winden irão repetir todos os passos vivendo nesse looping eterno.


De fato, em uma das cenas finais nos deparamos com duas crianças (sem spoiler de quem são) do passado se vendo no futuro. Até então, esse momento esta acontecendo pela primeira vez, porém, aquele passado já havia acontecido com ambos os personagens na infância, nos levando a crer que não existem novos caminhos a serem escolhidos.


O Padroeiro dos Viajantes


O mistério de como o colar de São Cristóvão foi parar perto do lago da cidade é finalmente revelado. O pingente antigo passará por algumas mãos até ser achado por Jonas. Infelizmente o adorno carrega consigo tristes acontecimentos.


O Homem Misterioso


O homem desconhecido (Jakob Diehl) que viaja com uma criança (Claude Heinrich) e um idoso (Hans Diehl) são a mesma pessoa. Os três vieram para fazer com que tudo continue do jeito que sempre foi, matando alguns e poupando outros. A sua identidade será revelada e vai fazer a sua cabeça explodir ainda mais.


Curiosidade: Os atores Hans Diehl e Jakob Diehl são pai e filho da vida real!!


Claudia Tiedemann


A mulher com heterocromia que tem sido minha preferida desde a temporada passada por ser a viajante do tempo com um papel ainda mais complexo do que a do próprio Adam.


Além disso, não podemos esquecer que ela deu uma mãozinha ao H. G. Tannhaus (Christian Steyer) nos estudos de viagem no tempo.


Claudia (Julika Jeankins), vulgo Diabo Branco, surpreende até a última cena, provando que ela consegue estar acima de qualquer expectativa e que sabe o que esta fazendo. Salvando o mundo (ou destruindo), seu papel é fundamental para que tudo se encaixe.


Juntos São Perfeitos


A missão de Martha (Lisa Vicari) e Jonas (Louis Hofmann) é finalmente revelada. Juntos, eles precisam criar uma nova realidade (ou não) para que tudo se conserte de vez. O altruísmo da dupla é a chave para poupar aqueles que eles amam de todo o sofrimento.


A Casa


Uma de minhas cenas preferidas!! No final vemos que existe outro(a) morador(a) na casa de Jonas. Percebemos isso no momento em que a câmera foca em um quadro da família, onde fica claro se a missão de salvar todos deu certo ou não.


Na casa, o(a) anfitrião(a) comemora com alguns amigos (sem spoiler do motivo) , a celebração que acontece é a parte mais libertadora da temporada para os personagens que a li se encontram, pois nele há libertação, redenção e aceitação de si mesmo, sem contar que uma nova grande amizade surge.


E vocês gostaram do final?? Eu adorei!!! Alguma teoria em relação aos mistérios que não foram solucionados? Conta ai pra gente!!!












0 comentário