Buscar
  • marianafrancomague

Análise | Diários de Intercâmbio- leve, divertido e otimista

Larissa Manoela já virou figurinha carimbada no catálogo da senhora Netflix faz um tempo, a nova produção com a atriz de 20 anos chegou à plataforma no último dia 18, e agora você fica sabendo de tudo que achamos de Diários de Intercambio.




Tão perto e tão longe


Barbara (Larissa Manoela) é uma jovem que sonha em viajar o mundo e conhecer novas culturas e pessoas, mas por enquanto o mais perto que ela vai chegar disso, é folhear as revistas de turismo que ela vende no aeroporto, mas não pense você que ela se acomodou com tal situação, a menina dedica todo seu esforço para cumprir a meta da editora, que lhe permitira realizar o sonho de fazer sua primeira viagem da vida.



Então por razões que nem a lógica explica, ela e sua melhor amiga Taila( Thati Lopes) tem a chance de fazer um intercambio para os EUA, Barbara terá de cuidar de um bebe enquanto Taila será a companhia de um casal de idosos. Parece incrível né? levando em conta que Barbara não sabe cuidar nem da limpeza do próprio quarto e Taila, a menina mais ativista que você vai conhecer ( pelo menos nesse filme) acaba na casa de um casal que curte bastante caçar e comer bichinhos fofos, não vai ser o mar de rosas que alas imaginavam.



Larissa Manoela = romance certo? Aqui não bebe!!


Levando em conta o histórico da atriz, é bem provável que você esteja pensando que é apenas mais um filme de romance com final feliz, talvez você se surpreenda em saber que o romance não é o foco, tendo relevância pra trama apenas em 30% do longa.



Não estou dizendo que o filme é desprovido de cenas fofinhas e românticas, aliás existe uma em especial envolvendo Barbara e Lucas (Bruno Montaleone) no Central Park, que facilmente poderia estar em filme como Encantada ou 500 dias com ela, mas digamos que a comédia é o que prevalece, é um filme que te diverte sem muitas pretensões com relação a trama.





Podia ser incrível... mas é só OK


Falando dos personagens secundários, Lucas interpretado por Bruno Montaleone é o único que tem uma profundidade e tem carisma suficiente para fazer com que o espectador se importe com o que acontece com ele, já Taila e Brad (David Sherod) são tão rasos quanto piscina infantil.


Tudo bem que a protagonista é a Barbara, mas Taila tem quase o mesmo tempo de tela, e não existe uma cena sequer que justifique ela ser como é, ela se diz super ativa politicamente, mas suas atitudes não nos convencem disso, ela é engraçada e traz uma leveza ao filme, mas fica só por isso mesmo.


Brad é outro personagem que não mostra a que veio, ele fica orbitando os personagens principais, mas demora a ter importância, tem uma história interessante, mas assim como Taila, não é bem explorado, no final isso até se justifica em parte, mas são dois personagens que poderiam ter sido melhor aproveitados.





Protagonista que fala



Em compensação Barbara é aquela protagonista que leva o filme nas costas, que faz com que o espectador não só se importe com ela, mas embarque em sua jornada junto com ela.


Desde os primeiros minutos do longa, é crível que é o maior sonho da vida dela viajar, você vê estampado na cara dela o quanto ela quer isso, o único ponto negativo na atuação de Larissa, e é algo que vem desde seus primeiros trabalhos, como por exemplo Fala Sério Mãe, é seu sotaque carioca que ainda soa forçado, tirando isso, é mais um trabalho incrível da atriz.


Diários de Intercâmbio não é uma obra prima do cinema nacional, tem seus defeitos, mas tem muitas qualidades, ele cumpre ao que promete, um filme adolescente leve que diverte e entretém.


Confira Diários de Intercâmbio na plataforma Netflix e não deixe de comentar aqui o que achou!!













0 comentário