Buscar
  • @luigienricky

Análise | Em um Bairro de Nova York - Uma sensível homenagem aos latinos Imigrantes

De modo geral, quando falamos em musicais já sabemos que as grandes produções cinematográficas arrasam demais, seja para contar histórias de lugares paradisíacos, fantasiosos ou uma bela tragédia daquelas que faz a gente chorar. Seguindo o mesmo caminho da fórmula de sucesso, Em um Bairro de Nova York consegue inovar ainda mais contando a história dos imigrantes latinos que tentam ganhar a vida nos States e viver o Sonho Americano!

Quando menos esperar estará remexendo o quadril, mesmo sentado!

Direto da Broadway!


O filme é uma adaptação da obra original de Lin-Manuel Miranda (Hamilton) chamada In The Heights e conta várias histórias diferentes dos moradores do bairro Washington Heights que são, em sua maioria, imigrantes de países latinos. As músicas, os ritmos e o gingado latino estão presentes no filme o tempo todo, mesmo nas cenas de rap onde Usnavi (Anttony Ramos - Ela Quer Tudo) arrasa muito! Será que vem um Oscar aí? Tem chances, viu?!


Através da ótica do protagonista, somos apresentados aos seus vizinhos e ao sonho de cada um, e mesmo que o Brasil fuja um pouco do esperado de países latinos, você com certeza vai conseguir identificar algo em você muito semelhante com os dilemas dos personagens, mas falaremos mais de cada um daqui a pouco.


Com uma sensibilidade e precisão cirúrgica, a trilha sonora de Lin-Manuel Miranda é com certeza o ponto forte do filme que consegue avançar a narrativa com canções divertidas, emocionantes e inteligentes, captando bem a essência de cada personagem!

As cenas musicais aproveitam ao máximo o cenário urbano com poucos momentos viajados de CGI

O Sonho de Cada um!


A primeira pessoa que conhecemos no filme é o protagonista Usnavi (a origem do nome dele é super engraçada e completamente normal de acontecer aqui no Brasil) que nada contra a corrente pois ao invés de querer viver o sonho americano, almeja juntar dinheiro para voltar pra Republica Dominicana pois os melhores momentos da sua vida foram lá. Ele passa boa parte do filme apresentando o outro lado da moeda, onde os imigrantes apenas trabalham para sobreviver e são poucos os que realmente tem a chance de realizar sonhos.


Usnavi trabalha com seu primo Sonny (Gregory Diaz IV - Unbreakeble: Kimmy Schmidt) que veio ainda bebê para os EUA e representa a nova geração dos imigrantes ou dos filhos de quem veio antes. Ele é um personagem muito cativante, sonhador e ativista que faz questão de protestar, lutar pelos direitos dos imigrantes e servir de motivação para os mais velhos que começam a deixar seus sonhos para trás.


Nina e Benny são o casal romântico do filme, aqueles responsáveis por trazes as cenas viajadas de gente dançando nas nuvens no melhor estilo Molin Rouge e LaLa Land. Enquanto Benny é um americano nativo que se importa com o bairro onde vive, Nina é aquela garota prodígio que todo o bairro se orgulha e se espelha por ter se dado bem na vida e entrado numa boa universidade. Ela funciona como a esperança de uma vida melhor para todos, o problema é que ela não esta muito afim não...

Você quer musiquinha chiclete de casal dançando no telhado? Temos! (Só que são com efeitos visuais toscos)

Tão Familiar que parece que vivi!


Usnavi (eu sempre vou rir) tem uma bodega onde vende de tudo, inclusive cupons de loteria. Em um certo momento do longa, sua loja é contemplada com um ganhador e o espectador é surpreendido com uma cena musical cujo tema é: "O que eu faria com o dinheiro do prêmio". Quem nunca? É genial!


No bairro também tem um salão de beleza comandado por Daniela (Daphne Rubin-Vega - Sexy and The City: O Filme) onde trabalham Carla (Stephanie Beatriz - Brooklyn 99), Cuca (Dasha Polanco - Orange is The New Black) e Vanessa (Melissa Barrera - Panico 5) que é o par romântico do protagonista e sonha se tornar uma grande estilista e morar no centro da cidade.


É no salão da Daniela que somos contemplados com momentos divertidos onde a fofoca rola solta e todos passam a saber da vida dos outros vizinhos. O filme também tem sequencias de dança com muita critica social e que são capazes de arrepiar os pelos dos braços até de quem não chorou com a morte do Mufasa (seu monstro!).

Não contive as lágrimas na cena em que cada núcleo exalta seu país e sua bandeira!

Paciência e Fé


Como falar do povo latino sem mencionar a fé, não é mesmo? Só que aqui, a fé vai além da religiosidade e se torna algo que ela sempre foi em sua essência, espiritual. O ato de acreditar em você e que as coisas a sua volta vão dar certo! Ao longo do filme são vários os momentos que um personagem ajuda o outro mostrando que ele não pode desistir de lutar pelo que acredita, de realizar o seu sonho. Esse tipo de mensagem não tem preço!


Aí você pergunta, qual a melhor forma de demonstrar esses valores? É aí que entra um dos momentos mais emocionantes do longa através da Vovó Cláudia (Olga Merediz - Evita). Durante um apagão de 3 dias, com uma cena maravilhosamente bem dirigida, Cláudia conta ao espectador, com uma canção lindíssima, como foi que chegou ao EUA com a sua mãe quando ainda era menina. Tudo que passou nas mãos dos patrões, a dificuldade de aprender um novo idioma e as necessidades que passou. Se você não chorou até agora, o momento é esse! Com uma atuação impecável (tenho certeza que o Oscar vem pra ela também) a cena tem tudo para se tornar uma daquelas grandes cenas de filmes que será comentada e estudada por muito tempo!


Mas você se prepare, das últimas vezes que pusemos Lin-Manuel Miranda e avós no mesmo roteiro, sabe como acabou, né?

Foi uma das coisas mais lindas que já assisti na vida!

Por fim, tudo que se espera de uma produção latina está ali: Muito drama, muito amor, muita sensualidade, muita música e muita dança. O grande diferencial é que dessa vez, ao ser retratado num longa Norte Americano, o povo latino não é um estereótipo xenofóbico, até por que, os diretores e produtores também não tem suas origens nos EUA e puderam trazer uma representação digna de quem vem de fora tentar a vida e uma das maiores potências mundiais, sem romantizar situações sérias, com leveza e sensibilidade poucas vezes vistas!

Se um dia te critiquei como ator, retiro o que eu disse!

Em um bairro de Nova York ainda pode ser visto nos cinemas do país mas já está disponível na HBOmax!


0 comentário