Buscar
  • marianafrancomague

Análise | Enola Holmes

Atualizado: 26 de out. de 2020

Fala aí Xeroque Romes de plantão, o mais novo filme da senhora Netflix, Enola Holmes estreou hoje (23), e o FendaGeek já assistiu e te conta tudo sobre o filme. Mas antes confira o trailer.


UMA ABORRECENTE MARAVILHOSA!


Millie Bobby Brown da vida a uma protagonista cativante que faz com que o público se identifique facilmente com ela, uma personagem muito mais solta e despojada do que a nossa querida Eleven, mas voltando pra Enola, a menina de 16 anos é sagaz e perspicaz assim como o irmão famoso, mas vamos chegar nele jajá.


Em compensação ela também herdou a superioridade e nariz empinado de quem acha que sabe de tudo e de todos, porém o carisma de Millie supera tais crises da idade.


A ESSÊNCIA DE CONAN DOYLE


O longa exala a essência e o clima das histórias do famoso detetive, a fotografia e o figurino impecáveis te transporta para o século XIX, a trilha sonora é um complemento que só realça a ambientação.


A premissa do longa é Enola em busca da mãe desaparecida, a matriarca da família Holmes, interpretada pela belíssima Helena Bonham Carter, foi a responsável em fazer de Enola uma menina estudada e aplicada, era comum na relação das duas o uso de anagramas, palavras que rearranjadas formam outras palavras, um artifício recorrente que torna o roteiro e a trama bem mais complexo, algo muito característico das histórias de Sherlock Holmes.


IRMÃO BOM E IRMÃO MAL

Os irmãos mais velhos de Enola, Sherlock (Henry Cavill) e Mycroft (Sam Claflin) ficam a maior parte do longa em uma eterna discussão sobre o que fazer com a menina,m enquanto Mycroft (vê Enola como uma menina selvagem que precisa aprender a se encaixar na sociedade, Sherlock passa de um indiferença no início a uma identificação com a personalidade forte da irmã.


DESTRUINDO PAREDES


Um dos pontos mais interessantes é a narração de Enola , onde ela diversas vezes fala diretamente com o público, quebrando a quarta parede, o que se usado de maneira exagerada pode soar caricato, mas em Enola Holmes é usado na medida certa o que faz com que o público se sinta parte da história.



SENTA QUE LÁ VEM HISTÓRIA


Apesar de ficar como pano de fundo para a história, existem diversas críticas sociais espalhadas pelo filme, o movimento pelo voto feminino estava em alta, toda a postura de Enola durante o filme representa a força e independência das mulheres na sociedade britânica.


O movimento do sufrágio feminino (voto feminino) teve seu início em 1897 com a criação da União Nacional pelo Sufrágio Feminino fundada por Millicet Fawcet, o movimento questionava o fato de as mulheres terem cargos de importância na sociedade, mas anda serem vistas com desconfiança como possíveis eleitoras.



MORREU NA PRAIA


Como falei no início do texto o objetivo de Enola era somente encontrar a mãe desaparecida , um ponto pode ser visto como negativo ou positivo, no meio do filme o rumo e o objetivo da história muda completamente, deixando o sumiço da Sra Holmes de lado, passando a acompanhar o caso do Viscounde Lord Tewksburya um jovem que desperts a afeição de Enola.

No final das contas o desaparecimento da mãe de Enola se mostrou mais complexo, assim como o futuro da protagonista, o que nos leva a imaginar que teremos uma (ou mais ) sequências, pois outra característica das histórias de Sherlock Holmes é ter o detetive como protagonista mas cada livro é um caso diferente, se vai acontecer só o tempo dirá, mas o fato é: a modernidade e irreverência das produções da Netflix combinou perfeitamente com o tom investigativo do longa.

Enola Holmes está disponível na Netflix.






0 comentário