Buscar
  • Mário Perazzolo

Análise | Eternos - Fora da caixa e surpreendente em todos os aspectos

Depois de um bom tempo sem filmes da Marvel por causa da pandemia, 2021 nos presenteou com alguns filmes e séries para matarmos a saudade desse universo cinematográfico gigantesco. E um dos mais esperados pelos fãs é o famoso Eternos, que foi lançado nos cinemas de todo Brasil no início de novembro.


Portanto, na análise de hoje, vamos avaliar esse tão aguardado filme, que pode ser considerado um dos mais "cults" da Marvel...


História


Eternos é um filme baseado nos quadrinhos de 1970 feitos pelo Jack Kirby e o filme é dirigido pela vencedora do Oscar por Nomadland, Chloé Zhao. O longa conta a história de uma raça de seres cósmicos que vivem no nosso sistema solar há milhões de anos e que fisicamente parecem os humanos, porém possuem grandes poderes.


Bom, Eternos é um filme com uma direção de fotografia impecável (Chloé Zhao arrasa nisso!) e som perfeito, porém, é possível perceber que nem tudo tem o dedo da diretora e podemos ver ainda um pouco da famosa "Fórmula Marvel" aqui.


Surpreendente


Eternos nos prende do começo ao fim, sem precisar de comentários cômicos a cada minuto, como já sabemos que a nossa adorável Marvel ama fazer. Entretanto, mesmo com poucas piadas, o filme funciona muito bem.


Os personagens são muito cativantes (outros mais e outros menos), e cada um tem seu charme no filme, dando assim destaque a todos. As cenas de ação deixam a desejar um pouco, pois não trabalharam tão bem no CGI e os poderes de cada um dos Eternos não é tão bem apresentado, e esses são detalhes que os fãs facilmente vão perceber e prejudicam um pouco do filme.


Atores incríveis e carismáticos


Um ponto forte do filme são os próprios Eternos, o casal Ikaris (Richard Madden) e Sersi (Gemma Chan), a maravilhosa Thena (Angelina Jolie), o engraçado Kingo (Kumail Nanjiani), o fofo Gilgamesh (Ma Dong-seok), a linda Makkari (Lauren Ridloff), o doce Phastos (Brian Tyree Henry), a mãezona Ajak (Selma Hayek), a pequena Sprite (Lia McHugh) e o rabugento Druig (Barry Keoghan).


Todos eles possuem o seu próprio jeito, porém o filme tem alguns destaques: Makkari, que é uma atriz com deficiência auditiva e Phastos, que interpreta um personagem LGBTQIA+. Eles são grandes representações para um filme da Marvel e isso é muito importante para os dias de hoje, visto que ainda em alguns países a exibição do filme foi proibida por conta do romance gay.


Por fim, acho que Eternos é um filme indie/cult que escapou um pouco do que estamos acostumados a ver do universo Marvel, porém ainda assim é preenchido com boas piadas, atores carismáticos e uma história que se fecha muito bem. (Obs: Eternos tem duas cenas pós crédito super importantes para o futuro!)


/Você que já assistiu, conta aqui embaixo o que achou do filme!



0 comentário