Buscar
  • Laura Amaral

Análise | Glow Up - 2ª temporada

Atualizado: 26 de out. de 2020

Você, que é amante do mundo das maquiagens, conhece o reality de competição entre maquiadores da Netflix? Se não... Corre aqui!

O “Glow Up: The Next Make Up Star” é um reality britânico que ressalta a arte da maquiagem em toda sua extensão. É apresentado pela super carismática e carinhosa Stacey Dooley, os jurados convidados semanalmente, sendo dois fixos: A apaixonada porém dura, Val Garland (maquiadora, diretora e editora de maquiagem e beleza) e o tranquilo, porém perfeccionista, Dominic Skinner (Maquiador Senior da MAC Cosmetics).


Inicialmente lançado pela BBC Three, a primeira temporada saiu no dia 6 de março de 2019 e depois a Netflix adquiriu os direitos para distribuição que chegou até nós, brasileiros!


Como funciona?


Os episódios têm o formato de desafios, sendo o primeiro o principal e feito em locações específicas, apresentando a temática do dia. Em seguida, temos o desafio das cadeiras, onde recebem uma nova atividade dentro do estúdio, cada um em seu espelho e todos participam, porém tendo os dois “piores” do primeiro mais chance de ir para o desafio de eliminação. É aqui que temos o plot twist: Todos estão propícios a ir para a eliminação, mesmo o vencedor do desafio principal. Caso apresente um trabalho abaixo das expectativas, pode entrar no lugar do colega já na berlinda do próximo e final desafio, situação que, para mim, evita com que se poupem com o argumento “vou ficar de boas e fazer qualquer coisa, porquê já tô salvo meixmo”. Exige com que todos se mantenham focados e profissionais.


Por fim, no desafio de eliminação, é dado uma tarefa rápida para os dois maquiadores que não se destacaram. Em 15 a 10 minutos, eles precisam executar algum detalhe de maquiagem (batom e delineador, por exemplo, aplicados com técnica e perfeição) e, com uma avaliação rígida literalmente feita com lupa, os jurados entram em um acordo entre si e eliminam o participante.


Pincelada na Primeira temporada


Na primeira temporada, além de sermos apresentados aos apresentadores e à estrutura do programa, conhecemos o trabalho de 10 maquiadores, cada um na sua área de domínio.

Todos são submetidos a provas envolvendo desde maquiagem editorial até efeitos visuais.

Com uma ou outra grosseria desnecessária dos jurados, como normalmente acontece em uma nova série quando os profissionais ainda estão se encaixando na função de jurados em produções audiovisuais, nós vemos um programa extremamente envolvente, artístico e inspirador. Além de nos impressionar com as variedades da profissão do maquiador e o quão pouco sabemos sobre com nosso olhar amador.


Esfumando nosso olhar para a Segunda temporada


Então fomos surpreendidos e presenteados nesse quinto mês de quarentena com a segunda temporada de Glow Up!

A nova temporada foi lançada nessa última semana na Netflix Brasil e não nos decepcionou! Mantiveram a mesma harmonia e paixão pela arte, nos apresentando níveis elevados de desafios e participantes dos quais cada um de nós, oprimidinhos artistas de coração, nos identificamos e nos inspiramos.


A apresentação e júri se mantiveram, pela nossa alegria, pois formaram um trio gostoso de assistir, com a apresentadora acolhendo a todos (inclusive nós mesmos) e os dois jurados principais nos passando um conforto no trabalho em conjunto e uma química entre si ainda maior.

Enquanto na primeira temporada vemos alguns conflitinhos entre participantes, com um pouco menos de profissionalismo ali e aqui, assim como algumas chatices a mais dos jurados, nessa nova temporada vemos um grupo extremamente coeso e amigo, presentes ali pela arte, sendo a competição apenas um adendo. Eles se apoiam e se ajudam o que, pelo menos para mim, amplia o que estamos querendo assistir: a exploração do que é a maquiagem, e não uma competição tóxica das quais já estamos acostumados em muitos realities.


Ao mesmo tempo que vemos o trabalho sendo desenvolvido dentro das diversas propostas, passando por campanha, teatral e artística, também é muito empolgante assistir o processo criativo na cabeça de cada um daqueles pequenos gênios em ascensão. E isso se aprimora quando os juízes se envolvem e se emocionam junto.


Falando em juízes, fãs de Rupaul’s Drag Race: Temos Michelle Visage rolando por alí! E sim, pulei no sofá igual os maquiadores ali no estúdio!


Considerando que tudo tem seus contras... Além de um elenco principal majoritariamente branco e sem muita inclusão, essa segunda temporada se apoiou mais na maquiagem artística do que necessariamente num todo voltado para o mercado comercial. Na primeira, nós leigos ficamos volta e meia impressionados com o que eles entendem como “uma boa maquiagem” nessas áreas... Inclusive nos pegando criticando uma make falando “nossa, a pessoa não fez NADA ali” e o júri aparece depois VIBRANDO dizendo o quanto aquilo está maravilhoso. Quem somos nós né?! Se eles gostaram, dizemos amém por aqui.


Porém, nessa última tivemos menos surpresas como essas e o funcionamento desse mercado mais distante para nós. Devido a uma aposta maior na parte artística, nós conseguimos também opinar (mentalmente e humildemente) as nossas impressões e muitas vezes combinam com a dos avaliadores. O mesmo acontece no desafio de eliminação, onde se afastaram mais dos detalhes técnicos a serem olhados e optaram por pedidos mais ousados como um olho “arco-íris” ou uma boca com glitter. Coisa que em contrapartida, particularmente foi super interessante para aguçar a criatividade por aqui!

Resultado final


A frase bastante emocionada de uma participante da segunda temporada diz tudo:


“Ter a bravura de seguir os seus sonhos e não ter um trabalho convencional é um outro nível de coragem!”


De modo geral, vemos aqui o quanto a maquiagem é um mercado extremamente sério e importante (porém pouco inclusivo), assim como é preenchido exclusivamente por, nada mais e nada menos, artistas que levam muito a sério sua arte como profissão! Não só artistas, porém pessoas andando juntas pelo amor de transformar a si e aos outros em algo novo e belo em suas mais incríveis formas. Você se empolga junto com a paixão dos artistas, com a empolgação dos jurados e no final já está gritando pela casa:


DING DONG!


E você? Já assistiu e ficou desesperado para sair correndo para a própria penteadeira e pirar nas makes? Conte aí para a gente!


0 comentário