Buscar
  • @myycampos

Análise | Medida Provisória - Um futuro nem tão distópico assim

Baseada na peça de 2011 “Namíbia, não!” de Aldri Anunciação, o filme é roteirizado e dirigido por Lázaro Ramos, que estreia no papel de diretor.


Medida Provisória conta a história de um futuro distópico, não muito distante, em que um governo autoritário ordena que todos os cidadãos afrodescendentes se mudem para a África.

Segundo o diretor, Lázaro Ramos, o roteiro já está pronto desde 2015, alguns anos antes do nosso país ser tragado por essa onda fascista e eleito o pior presidente da história, o que infelizmente só confirma que talvez essa distopia mostrada no filme não seja tão ficcional assim.

Pela primeira vez protagonizando um filme brasileiro temos o ator, anglo-brasileiro, Alfie Enoch, conhecido por papéis famosos como de Dino Thomas na franquia de Harry Potter e como Wes Gibbins um dos alunos que acompanha Anelise Keating em How to Get Away with a Murder. E ele entrega um belíssimo trabalho no papel de Antônio, um advogado que luta pela causas dos “Melaninas Acentuadas” que é como a população negra é chamado na filme.


No elenco também tem a fortíssima presença de Taís Araújo, que faz o papel de Capitu, uma renomada médica e esposa de Antônio. Além do maravilhoso Seu Jorge no papel de André, jornalista e primo de Antônio que divide apartamento com o casal.

Já no núcleo dos antagonistas Lázaro não podia ter escalado atrizes melhores.

Renata Sorrah, nossa eterna Nazaré Tedesco, encarna Dona Izildinha, vizinha do casal que não se conforma em ter um casal de “melaninas acentuadas” como vizinhos. Adriana Esteves faz o papel de Isabel, burocrata a serviço do governo que está responsável pela seleção dos brasileiros que devem retornar para o continente africano, mas para ela não é apenas um trabalho, ela sente real satisfação em fazer o que faz.


Racismo

No longa o racismo é levado a um extremo, em que é feita uma real segregação entre negros e brancos no país, mas essa violência é mostrada ao mesmo tempo em que os personagens sofrem outras pequenas violências disfarçadas de opiniões, de preconceitos, e do racismo estrutural que a população negra sofre na vida real dia após dia. Mesmo sendo profissionais renomados em suas profissões que são vistas com muito respeito pela sociedade, Antônio e Capitu, sofrem com o racismo no dia a dia, por exemplo ao ser julgado por estar dirigindo um carro caro, ou ser confundida com a enfermeira dentro de um centro cirúrgico.


O filme retrata as diversas maneiras que a população negra resiste a essas violências, por vezes veladas, por vezes escancaradas. E traz também a reflexão do que todos como sociedade poderíamos fazer para mudar esse preconceito enraizado na nossa cultura. Indispensável para o momento atual, Medida Provisória chega como um vislumbre do que pode acontecer, mas também mostra que sempre vai haver resistência, em suas diversas formas, por que quando nós resistimos eles perdem, perdem a força, perdem o sentido, perdem o poder que eles acreditam que tem nas mãos.

Medida Provisória está em cartaz nos cinemas.

E por favor, caro leitor: FORA BOLSON@RO!!!!!!!!!!





0 comentário