Buscar
  • @luigienricky

Análise | Mulan - Os Ancestrais não ouviram suas preces dessa vez!

Uma das princesas mais queridas da Disney finalmente ganhou uma adaptação em Live Action, mas o resultado final não foi bem o que o público estava esperando.


Por algum motivo que não importa mais, a Dona Disney optou por uma abordagem mais adulta com a justificativa que o filme não tem musicas pois "ninguém canta em uma guerra", além de uma série de outras polemicas envolvendo o elenco e a ausência de personagens queridos.


Mas será que o resultado final é tão horrível quanto parece? Vamos conferir já!!!

Liu Yifei "deu vida" a princesa que parece morta do começo ao fim da trama


Po-Lê-Mi-Kas


Vamos tratar de tirar logo o elefante da sala. O filme é ruim! Claro que tenho sensibilidade para entender que alguns aspectos da animação original são fundados sobre estereótipos racistas e falta de respeito à crença dessa nação tão grande e a Disney logo tratou de remover esses elementos do filme, o que é algo maravilhoso, sem sombra de dúvidas.


Quer exemplos? O nome "Chang" é um tabu para os chineses, então o personagem Li-Chang teve seu nome alterado mas ainda é o mesmo personagem, embora tenha algumas características incluídas/removidas que o fez parecer um personagem qualquer.


O dragão Mushu também não está no filme pois a figura do Dragão é sagrada e o Mushu é um bichinho bem profano, vamos combinar, né? Por isso, a figura mítica que acompanha Mulan durante o filme é uma Fênix. Outros personagens removidos foram Gri-Li, Shan-Yu e os Ancestrais que não aparecem por motivos óbvios.

O problema não é o personagem ser removido, ou as músicas, ou elementos da história. O problema é as coisas removidas fazerem falta!


Mais Polemicas de bastidores


Outra coisa que pegou super mal, foi o posicionamento da atriz principal Liu Yifei quanto às manifestações que aconteceram na China, onde policiais estavam usando de força bruta e abuso de poder para controlar os manifestantes que lutavam por seus direitos e a bonita ficou do lado dos policiais...


As músicas também foram removidas, então não espere ouvir "Imagem" ou "Homem Ser" e foram substituídas pelas melodias dessas canções que podem ser ouvidas ao fundo. Mesmo que faça sentido a alegação que não se canta nas guerras, parece uma desculpa esfarrapada de tentar trazer realismo para uma história onde tem bruxas, magias e criaturas místicas.


Sabe aquela cena linda que a Mulan corta os cabelos para poder se passar por homem e substituir seu pai na guerra? Não tem pois a bonita não quis cortas as madeixas, então ela só rouba a armadura e se manda (Será que não existe peruca na China?), a coisa mais anticlimática que acontece e já baixa as expectativas de quem está assistindo. Os amigos de Mulan também tem uma participação bem menor em relação ao desenho, deixando toda a ação por parte da protagonista. Isso não seria um problema se ela não sofresse da doença do protagonismo em que não precisa de ninguém para resolver seus problemas. Roteiro tentou passar a mensagem de girl power mas transformou Mulan em uma deusa imbatível.

Senhoria devia ter vindo direto do Beco do Chiqueiro dos Porcos para viver Mulan. Faria mais sentido!


Algo de bom para declarar?


Sim!


O filme tem seus pontos positivos, é claro! Além dos já citados a respeito de tentar respeitar ao máximo a cultura e as crenças do país, o filme também consegue prestar uma bela homenagem ao cinema oriental com as suas cenas de ação bem trabalhadas e com todos aqueles exageros no melhor estilo O Tigre e o Dragão.


Cenograficamente também é bem trabalhando com seus efeitos práticos, embora o CGI deixe um pouco a desejar, mas isso já é comum aos filmes em Live Action da Dona Disney né? Nada de novo sobre o sol.


Assim como os demais filmes com atores do estúdio até agora, os figurinos dão um show a parte com todos seus adereços e cuidados em retratar ao máximo o período histórico em que a história se passa e com respeito à cultura dessas pessoas também.

Batalhas com grandes cenários e cenas de lutas eletrizantes mas que infelizmente acabam rápido demais pelos poderes mutantes da protagonista.


Lembra que falei do girl power forçado por causa de todo exagero acerca das habilidades de Mulan? Bem! Tem o lado positivo disso tudo chamado Xianyang, a principal antagonista da história.


Graças a ela, a única coisa no filme que não fez falta, foi a presença de Shan-Yu pois a vilã é bem trabalhada, tem um background super interessante e uma ligação direta com a protagonista que faz a princesa parecer menos forçada do que é! Confesso que foi uma das coisas que mais torci o nariz quando vi os trailers, mas no final das contas foi o que fez o filme ser mais aceitável para mim, embora só vá ladeira abaixo depois que a vilã tem seu arco resolvido em um pouco mais da metade do filme.

Um Cruzamento de Malévola, Maui e Galinha D'angola que deu super certo. Se um dia te critiquei, não lembro!


Mulan já está disponível do catálogo do Disney +, mas assistir isso é por sua conta e risco, depois não vai dizer que não avisei.



0 comentário