Buscar
  • @luigienricky

Análise | O Mundo Sombrio de Sabrina: Temporada 4 - Faltam palavras para descrever!

Atualizado: 15 de jan. de 2021

E chega ao fim (finalmente) uma das adaptações mais ousadas dos últimos anos! Depois de quatro s̶o̶f̶r̶i̶d̶a̶s̶ temporadas, a bruxinha Sabrina (mas que menina!) se despede deixando um ar de "ué?" para quem acompanhou essa aventura desde o inicio.


Com suas tramas mirabolantes (que não levavam a lugar nenhum), resoluções cheias de promessas de fim de mundo (que não tinham consequências nenhumas) e vilões imortais (que foram mortos) vem ver o que achamos da temporada final de O Mundo Sombrio de Sabrina.

Achei o final ótimo, nota ZERO!


Ah Netflix, tu me prometestes!


Não é surpresa para ninguém que a Netflix sempre dará prioridade para produções populares que dão ibope (lê-se: Não sabe a hora de parar), um exemplo clássico é a série The Rain que é pior que dipirona liquida, ter inicio, meio e fim. Diferente de séries maravilhosas como The OA que foram largadas no limbo (Alô, Amazon? Acho The OA a sua cara!).


Dito isso, essa necessidade de manter no ar séries de sucesso podem acabar destruindo uma obra com um excelente potencial, como é o caso de O Mundo Sombrio de Sabrina que poderia ter acabado na sua segunda temporada.


Já tem um tempo que me preparo para escrever essa análise mas não queria me deixar influenciar pelo calor do momento, o tempo passou e estou eu aqui com o sangue fervendo e procurando coisas boas para falar.

Com exceção do Nick (e com ressalvas) ta aí um núcleo inteiro que poderia ser cortado que não faria a menor falta.


Consequências? No conozco!


Se tem uma coisa que me tira do sério mais que mortos ressuscitando, essa coisa é a falta de consequências! Ao longo das quatro temporadas isso é o que mais acontece em O Mundo Sombrio de Sabrina. Várias ameaças com promessas de fim do mundo, que irão mudar os rumos do universo e que no final das contas, apagam a memória de geral e tudo volta a ser como era antes. Parece que estou assistindo a um grande spinoff de Supernatural mas com um pouco mais de macho suado sem camisa.


Fica difícil levar a sério quando os personagens arranjam formas de matar seres imortais o tempo todo. Nessa temporada fomos apresentados aos Terrores do Sobrenatural e que no final das contas pareceram apenas moscas na sopa de Sabrina e seus amigos que se livraram de todos sem nenhum esforço (salvo o último Terror que foi um verdadeiro terror pra assistir).


Entendo que o foco da série seja os adolescentes cheios de hormônios, mas a narrativa é pobre e subestima a inteligência de quem assiste. Dora Aventureira e Pepa Pig têm personagens mais profundos, inteligentes e carismáticos.


Falando em Personagens...

Quem está acostumado a ler minhas análises sabe as coisas que mais me irritam quanto ao assunto Personagens Desperdiçados


O que mais acontece nessa série é a apresentação de personagens que estão ali só pra encher linguiça ou ainda, aqueles que parecem ter muita relevância mas que depois de resolvidos seus arcos, dão no pé e ninguém mais lembra que existem. Mambo Marie, oto falando da senhora. Uma coisa triste que acontece é o descaso com Salem. Sei que a atriz que vive a bruxinha é alérgica a gatos (por que não investigaram isso antes é o verdadeiro mistério da série) mas ele não tem metade da relevância que tem em todas as outras mídias que participou, seja a outra série, filmes, animações ou nos quadrinhos. Triste!


Outro ponto que tira do sério é a ideia exaustivamente mal trabalhada de um ator vivendo dois papeis. Aqui, conforme vimos na temporada anterior, Sabrina se dividiu em duas, a rainha do inferno e a adolescente que passou a temporada quatro inteira querendo um macho pra amar. Surpreendentemente, nesse caso, a cópia foi muito mais interessante que a original e a temporada quatro devia ter se focado apenas nessa Sabrina.


Théo, Harvey, Robin e aquele mundaréu de bruxas apresentadas também deveriam nunca ter existido, assim como Rosalind que teve uma reviravolta (talvez a única surpresa) e um upgrade na sua relevância que foi super bem vindo. Fica o questionamento de por que os redatores não fizeram isso desde a primeira temporada. Único arco interessante além da Sabrina 2 foi o da Madame Satã, todo o resto poderia ser ignorado.


Finalmente o Fim!

O único episódio realmente interessante de toda a quarta temporada é justamente o único que acompanhamos Sabrina Morningstar enfrentando sozinha um dos terrores do sobrenatural

Depois de tudo isso, como se não bastasse, o final da personagem principal, Sabrina Spellman, foi chato, previsível, forçado e anticlimático. Entendo o contexto do que acontece com ela e qual foi a ideia que tentaram passar, mas foi mal executado, corrido e sem graça. E no final das contas ainda meteram o Nick no meio da história com uma explicação sem pé nem cabeça (se você entendeu ou se fez sentido pra você, por favor me fala) apenas para que os fãs fervorosos não ficassem nervosos. A própria Kiernan Shipka assumiu que não foi o final que ela queria contar.


E claro que não poderia deixar de falar dos vários momentos que a minha cara queimava de vergonha e me pegava olhando pro lado fingindo que tava passando o canal da TV e parei na Netflix sem querer e por acaso tava passando isso. Como quando Sabrina e seus amigos bruxos resolvem intervir numa competição musical pois, segundo ela, os seus amigos mortais não teriam chance de vencer um dos Terrores do Sobrenatural numa batalha de bandas (prioridades né?), só que a banda que ela forma é a pior de todas. Da muita vergonha!


Entre figurinos de novela do SBT, maquiagem do Playcenter (se você não é de SP, joga no google e entenda), sofrimento de amor juvenil, trilha sonora tosca, forçação de barra e muitos momentos de vergonha alheia (sério, são muitos mesmo!). Sabrina deixará muita saudades... Digo... A Série Original, por que essa deveria ser apagada do catálogo e enterrada junto com o tempo perdido pra assistir!




0 comentário