Buscar
  • Giulia K. Rossi

Análise | Red: Crescer é uma Fera - Um divertido retrato sobre amizade e amadurecimento

Não bastasse o sucesso de Encanto, a dona Disney lançou mais uma animação que chegou com tudo! A nova produção da Pixar, Red: Crescer é uma Fera, lançou recentemente na plataforma Disney+ e já conquistou o coração do público com a sua mensagem fofa e divertida sobre o crescimento. E hoje é dia de falar desse filme feito para todas as idades!


A história segue Meilin Lee, uma esforçada jovem de 13 anos que faz de tudo para impressionar a sua mãe e família. Porém, o seu "comportamento perfeito" é colocado em risco quando, de repente, ela passa a se transformar em um gigante panda vermelho toda vez que sente emoções muito fortes.


O jeitinho Pixar de ser


Bem daquele jeitinho Pixar que a gente tanto conhece e adora, Red: Crescer é uma Fera consegue levantar vários assuntos sérios e importantes sem perder a leveza e o tom divertido, que conversa tanto com o público adulto quanto com as crianças assistindo ao lado. (Se você já assistiu Divertida Mente ou Soul sabe muito bem do que estou falando...)


A nova produção pode até parecer infantil de início, mas traz uma série de questões relevantes e comoventes, especialmente abordando sobre pressões familiares e internas, que nos fazem mal sem nem mesmo percebermos. Temas como ansiedade, crescimento e auto aceitação são disfarçados com cenas descontraídas, mas, ainda que de maneira sutil (às vezes nem tanto), são grandes tópicas do longa.

E de sobra ainda temos esse panda hiper fofo!

A adolescência são anos caóticos, e é sobre isso


Mas, sem dúvidas, Red não é qualquer filme da Pixar e é uma das produções mais ousadas da empresa (pelo menos é o que ouso dizer), tanto em relação a sua narrativa, quanto na sua própria animação. O filme não tem medo de usar e abusar do exagero e, de fato, contar uma história no ponto de vista de uma menina de 13 anos. Em certos momentos, até faz lembrar a criatividade de A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas.


Assim como a personalidade de Mei, a trama segue um ritmo animado (quase caótico), com mudanças de estilo (fãs de anime vão ficar felizes!), montagens rápidas e lúdicas, quebras da quarta parede, e situações inusitadas. Enquanto a Pixar normalmente segue um tom mais "tradicional" de narrativa, Red: Crescer é uma Fera parece marcar uma nova fase da produtora, que dialoga muito bem com o público atual.


Demorou, mas a representatividade tá aqui para ficar!


Desde a época em que toda princesa da Disney era mais branca que a neve, muita coisa mudou (felizmente!), e cada vez mais vemos personagens diferentes sendo representados no cinema. Red dá mais um grande passo para essa direção e retrata uma personagem principal asiática e a sua família, trazendo um protagonismo extremamente necessário ainda hoje.


Embora o filme não entre em grandes detalhes sobre a cultura oriental (eles moram em Toronto no fim das contas), é refrescante ver uma representatividade asiática positiva nas animações, tanto dentro quanto fora das telas. Na direção temos a chinesa Domee Shi, que trabalhou no roteiro ao lado de Julia Cho, o qual foi escrito com base nas vivências pessoais da infância de ambas, o que traz um toque de familiaridade e veracidade ao filme.


Não é a toa que o longa possui um olhar tão sincero sobre a amizade entre mulheres, feito por uma equipe de criação inteiramente feminina. Aqui temos um grupo de amigas que são bobas e brincalhonas, assim como a maioria das meninas de 13 anos são na realidade. Um dos grandes diferenciais da obra é justamente a sua abordagem sobre assuntos femininos, com um humor e drama exagerado para lá de identificável (com direito a primeiros crushs e boybands). A primeira menstruação é algo natural, então porque não falar abertamente sobre isso?

Quem aí não quer fazer parte desse squad?

Red: Crescer é... uma realidade


Red: Crescer é uma Fera é um filme leve, engraçado e cheio de momentos emocionantes e despretensiosos. Sem medo de ousar e ao mesmo tempo apostar na simplicidade das complicações cotidianas, o filme de Shi é um genuíno retrato sobre a adolescência, amadurecimento e expectativas. Afinal, crescer não é fácil para ninguém, muito menos quando você é um enorme panda vermelho.


0 comentário