Buscar
  • daianeohare

Análise | Rosa e Momo - um drama com cheiro de Oscar

Se um filme consegue levar Sophia Loren de volta às telas depois de quase uma década você deve parar parar para assistir. Esse é o caso de Rosa e Momo, o longa dirigido por Eduardo Ponti - filho de Sophia - é baseado no romance "A Vida pela Frente" de Romain Gary e estreou recentemente na Netflix.

Na trama seguimos a história de Rosa, uma ex-prostituta sobrevivente do holocausto que mantém uma casa onde ela abriga filhos de outras prostitutas para que suas mães consigam trabalhar em paz.


O caminho de Rosa é cruzado pelo menino Momo (Ibrahima Gueye), um pequeno órfão senegalês que leva a vida realizando pequenos furtos e traficando drogas, ele acaba roubando uns artefatos de Rosa e após ser descoberto pelo seu cuidador, Dr. Coen (Renato Carpentieri), ele é forçado a pedir desculpas para Rosa e após muita insistência por parte do Dr. Coen, Rosa acaba acolhendo o menino em sua casa.


O que de início é uma relação extremamente tumultuada e cheia de trocas de farpas por ambos os lados acaba se transformando numa relação de amizade e companheirismo sem igual, Rosa não está ali para salvar Momo do "mau caminho" mas para entender toda a situação complicada do menino.

As atuações de todo o elenco são impecáveis, o menino Momo, estreante inclusive, rouba a cena, a química entre ele e Loren transcende a tela e realmente nos toca com suas atuações cheias de carga dramática. Lola (Abril Zamora) tem um arco tão simples e ao mesmo tempo tão importante em nossos dias.


A ligação entre os protagonistas se dá no campo dos traumas, Rosa é uma sobrevivente de um dos momentos mais horríveis da história mundial, já Momo é uma criança refugiada, cada um em seu contexto, porém ambos viveram situações que justificam suas atitudes, talvez esse seja um dos pontos fracos do longa, Ponti poderia ter adicionado um pouco mais de profundidade quando de trata da questão dos refugiados, no entanto, prefere apenas tratar esse ponto como uma camada extra na história.


Será que o Oscar vem? Quando o letreiro sobre e a voz de Laura Pausini ecoa a gente já sente que tem um pequeno Oscar bait aí, é errado? Claro que não! As cenas dramáticas cheias de carga emocional e sem muitas novidades estão ali pra isso, fazem nosso coração ficar quentinho e caçam sabiamente um Oscar - merecido diga-se de passagem.


Rosa e Momo é um filme impecável em vários aspectos, com atuações surpreendentes e que aquecem nosso coração, é um filme de amizade, solidariedade, e empatia, e tem Sophia Loren. Precisa de mais?



Rosa e Momo está disponível na Netflix.


0 comentário