Buscar
  • @tonfabricio

Análise | Supernatural - Parte Final

Pois é, meus amigos, Supernatural finalmente chegou ao fim (fim real e não a temporada Apocalipse). Após quinze anos no ar, o seriado foi capaz de assustar, alegrar, emocionar e entreter os telespectadores (criamos ranço também). Mas será que Supernatural fechou com chave de ouro? Venham conferir!


Mais do mesmo


Não tem muito o que falar, pois não foi muito diferente de temporadas anteriores. Ao longo de quinze anos cheios de furos de roteiros, momentos improváveis e soluções aleatórias para ressuscitar alguns personagens queridos pelos fãs, a parte final foi mais do mesmo.

Nestes últimos capítulos vimos o retorno (de novo!) de ilustres personagens para ajudar e atrapalhar os Winchester. Sendo assim, algumas cenas são extremamente corridas e com alguns deles (não direi quais) morrendo de forma boba. A minha sensação para uma morte específica foi pensar do porquê o trouxeram de volta se o seu fim seria tão sem sal. Enfim...

Apesar disso, Supernatural ainda consegue nos prender na tela com sua criatividade. A propósito, o primeiro episódio da parte final conhecemos uma senhorinha extremamente cativante que dá vontade de abraçar.


O legado de Castiel


Nosso amado anjo Castiel. Inicialmente, nosso querido ator Misha Collins foi contratado para ser um personagem "descartável" para uma temporada, mas seu carisma foi tão grande, que ganhou um papel de destaque ao lado de Jensen Ackles e Jared Padalecki. Impossível não amá-lo, não acham?

Misha conseguiu ser a estrela dos episódios finais com uma interpretação emocionante! Seu dialogo e revelações foram capazes de me fazer arrepiar enquanto eu assistia. Infelizmente, esta cena específica (sem spoilers) me deixou em cima do muro, entre raiva de não ter acontecido antes, porém feliz pela abordagem ao assunto. Em poucos minutos, Castiel foi capaz de elevar o seriado para outro patamar, dando um murro na boca dos haters (se gostavam do seriado, passaram para o mimimi). Eu me surpreendi, pois nunca pensei que algo tão delicado fosse abordado em Supernatural de uma forma tão digna e linda como foi.


O vilão dos vilões: Deus


No final de tudo, os irmãos enfrentam o mais egoísta e contraditório ser sobrenatural: Chuck (Rob Benedict), vulgo Deus. Ao longo de mais de uma década, já era de se esperar que os Winchesters enfrentariam o Todo Poderoso. A temporada final acerta no vilão, pois é esperado que eles sempre encarem um antagonista ainda mais forte e, afinal, quem mais forte que o próprio Criador?

Mesmo assim, as "batalhas" são mornas... Eu nunca comprei a ideia de Chuck ser Deus, pois sempre achei o personagem e sua trama sem tempero algum. Além disso, foram tantos vilões incríveis que já passaram desde a primeira temporada, que ofuscaram o brilho do Pai. Por conta disso, o desfecho entre Deus, Sam e Dean é esquecível...


Final em aberto?


Não! Apesar dos erros e alguns acertos, Supernatural tem um final fechado e emocionante. Cheio de nostalgia, partidas e reencontros, a série foi competente em seu final (dentro do que sempre fizeram). Não poderia pensar em outra forma de acabar se não fosse aquela. Embora não tenha sido incrível, foi boa e deixará saudades. Além disso, os atores agradecem os fãs pelo sucesso junto de sua equipe, coisa rara de se ver. Talvez ali não seja apenas um trabalho, mas uma verdadeira família.


"Carry on, my wayward son

There'll be peace when you are done

Lay your weary head to rest

Don't you cry no more"

Gostaram do final de Supernatural?? Qual foi o momento do seriado inteiro mais incrível para vocês?? Comentem!!



0 comentário