Buscar
  • Giulia K. Rossi

Análise | The Owl House : 1ª temporada - Uma aventura mágica que aposta na representatividade

Nem toda animação é só para crianças. A Pixar está cansada de provar isso com os seus filmes supeeer complexos, e agora a Disney entrou na onda. A série animada The Owl House pode não ter o nível de profundidade de longas como Soul, mas, certamente, é divertida, leve, e cheia de personagens incríveis para entreter todas as gerações!


A produção de Dana Terrance segue a jovem humana Luz (Sarah Nicole Robles), uma garota criativa que, de repente, se depara com um mundo mágico repleto de criaturas fantásticas e verdadeiras bruxas e feiticeiros. Maravilhada pelo novo universo, a adolescente é acolhida pela bruxa Eda (Wendie Malick), que começa a ensiná-la magia.


O poder de grandes personagens (humanos ou não)


Mas agora, vamos falar deles: os personagens que tornam o seriado especial do jeitinho que é. Primeiramente, temos a nossa divertida Luz. Como normalmente vemos em produções da Disney, ela é uma adolescente alegre (Alex Russo, você é a exceção!) e determinada, que muitas vezes se coloca em perigo por conta de sua curiosidade. O oposto, entretanto, da sua mentora Eda, ou também conhecida como "mulher coruja".


A relação de Eda e Luz é, sem dúvidas, o que move a série da melhor maneira. Temos o clássico relacionamento entre "aprendiz" e "mestre", porém, com uma dinâmica ainda mais divertida em razão das personalidades tão diferentes entre as duas personagens. Enquanto Eda não quer estar ligada aos ensinamentos da escola de bruxaria, Luz não poderia estar mais entusiasmada para aprender todo o tipo de feitiço e, de fato, fazer parte desse mundo. A relação de ambas, entretanto, cresce discretamente ao longo da temporada, se tornando uma linda mentoria e, acima de tudo, amizade.

Olha essa turma maravilhosa!

Além das duas, vale ressaltar o teimoso "mascote" de Eda, King (Alex Hirsch), um demônio com jeitinho de cachorro. A amizade que ele constrói com Luz com certeza resulta nas confusões mais malucas da série! Contudo, não é só ele que conquista o coração do público - ainda temos Amity (Mae Whitman), Willow (Tati Gabrielle), Gus (Issac Ryan Brown) e Lilith (Cissy Jones). Os quatro bruxos podem não ser o foco principal da produção, mas, mesmo assim, são muito bem desenvolvidos e explorados, tanto individualmente quanto junto com as protagonistas.


Representatividade na Disney, tudo para mim! (Aviso de spoilers)


Quando a gente cava bem fundo, encontramos algumas animações cheias de representatividade LGBTQIA+ (saudades eternas de She-ra!). Mas não esperava que a senhora Disney finalmente abriria as portas para esse tipo de conteúdo, e nos presentearia com uma maravilhosa protagonista latina e bissexual! (e não, não é um delírio coletivo, pois já foi oficialmente confirmado pela criadora da série)


Apesar de ainda não ter rolado nada muito explicito, é só uma questão de tempo até que Luz e Amity passem de inimigas, para amigas, para algo mais (vocês sabem muito bem do que eu estou falando ;) ). A relação das duas é construída com muito carinho, profundidade e leveza, o que torna o romance entre elas perfeito para todos os públicos.

#Lumityprasempre

Não é fácil encontrar uma protagonista LGBTQIA+ em animações e, muito menos, duas personagens da comunidade tão complexas e cheia de personalidade, especialmente quando vemos o desenvolvimento de Amity ao longo dos episódios. Sem dúvidas, é um marco para a Disney!


Tudo incluso, meus amores!


Entre os muitos pontos positivos, a série impressiona com a sua qualidade cinematográfica. Bem no estilo Gravity Falls, que mistura humor e todas as possibilidades do mundo animado com aventura e fantasia, o visual de The Owl House imediatamente transporta o telespectador para esse universo fantástico. Assim como Luz, você vai querer explorar cada detalhe das Ilhas Ferventes! (com muito cuidado, por favor)

Quem aí não morre de vontade de sair voando no cajado da Eda?

O enredo criativo, os personagens carismáticos, o enigmático grande vilão e as reviravoltas intrigantes vão tornando os episódios cada vez mais envolventes e, facilmente, tornam The Owl House uma das melhores produções do estúdio. Ainda, ouso dizer, uma das melhores produções animadas em geral.


E aí, tá esperando o quê? Corre lá no Disney+, prepara a pipoca, e aperta o play!



0 comentário