Buscar
  • Giulia K. Rossi

Análise | Um Match Surpresa - A fórmula das comédias românticas ainda funciona?

Preparem os pisca-piscas e os enfeites, pois estamos oficialmente no período de lançamentos natalinos! (2020 não acabou de acabar, não?). E é claro que a dona Netflix aproveitou a deixa para produzir uma série de filmes sobre a melhor época do ano, incluindo o novo queridinho, Um Match Surpresa, estrelado por nada menos que Nina Dobrev. Mas será que o longa está a altura das celebrações de fim de ano?


Que tal uma mentirinha de natal?


A produção segue Natalie, uma mulher que nunca teve sorte no amor até que finalmente parece conhecer o "homem de seus sonhos" em um aplicativo de namoro. Porém, quando decide viajar para o outro lado do país para surpreendê-lo no Natal, ela descobre que as coisas não são bem o que parecem ser. Literalmente.


Ao chegar na pequena cidade do seu tão esperado "grande amor", Natalie descobre que a pessoa com rosto de modelo que ela vinha conversando nas últimas semanas é, na verdade, o estereótipo de nerd asiático, Josh (Jimmy O. Yang), que vinha usando as fotos de seu atraente amigo de infância, Tag (Darren Barnet) em seu perfil. Então, ignorando o bom senso, ela faz um pacto com o seu catfisher para ajudá-la a conquistar o homem por quem ela se apaixonou nas imagens.

O que pode dar errado, não é mesmo?

Às vezes, passar pano faz parte...


A personagem de Natalie é a típica protagonista de comédias românticas, ou seja: levemente desesperada para encontrar o amor de sua vida (estamos no século 21 e nada mudou nesse aspecto das produções norte-americanas, infelizmente). Entretanto, assim como muitos dos longas que amamos, até mesmo as protagonistas mais sem noção, conseguem conquistar os nossos corações. E, por sorte, o carisma de Dobrev cumpre essa função.


Sem dúvidas, apesar da avalanche de clichês (seria mesmo um filme de natal sem eles?), a produção consegue provocar risadas com situações absurdas que, de modo geral, fisgam o telespectador a continuar assistindo, ainda que o desfecho seja esperado após os primeiros dez minutos de filme. Mesmo que não óbvia, a química entre Natalie e o seu inusitado par, o catfisher Josh, funciona bem, e o talentoso elenco secundário também traz o que há de melhor no roteiro e na direção do longa.


Entre uma hora e meia de filme um tanto frenéticas, Um Match Surpresa brilha, de fato, em seus momentos menos pretenciosos. A trama, embora problemática por si só (enganação é um assunto sério, Netflix!), entrega cenas genuinamente divertidas e originais (quem não ama um bom dueto natalino?), assim como trechos tocantes que não forçam muito a barra (para emocionar qualquer um que já perdeu algum ente querido).

Um casal que mente junto, fica junto... aparentemente

Desliza para o lado...


Porém, o longa não é nenhuma obra de arte, na verdade, está longe disso. Movendo o enredo com uma mentira atrás da outra, seja por parte de Natalie, que resolve mentir sobre toda sua personalidade para impressionar um boy qualquer, ou por Josh, que começa o longa fingindo ser outra pessoa para ganhar matches e depois passa a enganar toda a sua família com um falso noivado (acho que isso foi um pouco demais), a produção se deixa levar pelo absurdo, e perde a oportunidade de realmente se aprofundar nos dois (moralmente questionáveis) protagonistas e a sua relação.


Além disso, o filme também peca ao acrescentar na trama o arrogante irmão de Josh, Owen (Harry Shum Jr.). A rivalidade entre os irmãos serve para simpatizarmos com o protagonista e entendermos melhor suas inseguranças (e consequentemente o que o levou a fazer algo tão errado como fingir ser outra pessoa), porém, após alguns atritos, a dinâmica fraternal é colocada de lado e Owen repentinamente se torna um aliado, sem grandes relevâncias para a história. Acho que é a magia do natal!

E por quê ninguém da família comentava sobre o comportamento tóxico de Owen?!

Hora de entrar no clima!


Apostando em fórmulas conhecidas, que, inclusive, já estão em sua maioria ultrapassadas, e repleto de clichês do começo ao fim, Um Match Surpresa tem, na realidade, poucas surpresas no caminho (a gente não espera nada diferente, mas está na hora de pelo menos quebrar alguns estigmas...). Entretanto, como todo bom filme do gênero, ele cumpre o seu propósito de aquecer nossos corações, nos entreter com uma trama leve e, é claro, colocar a gente naquele delicioso espírito natalino!


0 comentário