Buscar
  • @luigienricky

Emmy 2020 | Análise: The Crown - Temporada 3

A corrida pelo Emmy de melhor série dramática de 2020 está a poucos dias de chegar ao fim e anunciar o grande vencedor. Depois de vocês conferirem nossas análises das concorrentes The Mandalorian, Ozark, Watchman e Stranger Things, chegou a vez de lhes apresentar um pouco mais sobre a série mais cara da Netflix que conta a história da família real britânica, The Crown.

Elenco de peso na trama com nomes como Olivia Colman (A Favorita), Helena Bonham Carter (Harry Potter), Tobias Menzies e Charles Dance (Game of Thrones) e Erin Doherty (Os Miseráveis). Alguns deles também concorrem na categoria de melhor atriz.


Você acha que sabe tudo, mas está errado!


Você pode até achar que sabe tudo sobre a família real britânica, pode se deliciar com a teoria que Betinha é reptiliana e pode morrer de amores pela Lady Diana, ou, talvez este tema não te interesse e por isso você passa o cursor da Netflix direto quando vê essa série e até faça uma careta sinistra quando alguém te sugere, eu sei, já fui essa pessoa também!


Mas o causo é que a série The Crown vai alem da futilidade que você pode imaginar que seja a vida de uma rainha e mostra que não tem nenhuma relação com os milhares de filmes sobre reis que existem por aí. The Crown é um trama politica real, com histórias que aconteceram de verdade e que não englobam apenas glamour e riqueza ou apenas o Reino Unido, já que retrata momentos históricos de peso mundial. Aprendi muito sobre história e entendi muita coisa que não entendi enquanto assistia vidrado cada episódio.


Ao longo das três temporadas somos apresentados a um lado da rainha que só quem convive com ela pode conhecer (as vezes nem essas pessoas conhecem) além do político também vemos o lado humano da família real com seus dramas e escândalos (que eles fazem de tudo para esconder). A vulnerabilidade da Rainha Elizabeth II diante do seu casamento e a dificuldade em ser carismática para o público são mostradas de forma realista ao ponto de dar nó na garganta de quem assiste, o que acaba criando uma rivalidade bem infantil com a sua irmã que tem o carinho do mundo todo pela beleza e simpatia.

Quem disse que na realeza não tem boy lixo? Lhes apresento o marido da chernoboy da Rainha


Novo elenco, tempos modernos


Nas duas primeiras temporadas, Claire Foy (que levou a estatueta de melhor atriz por este papel) se joga de corpo e alma interpretando a rainha de forma que o espectador acha que será impossível alguém conseguir passar tanta emoção de forma sutil e dar continuidade ao seu legado.


Mesmo que todos já soubessem que, ao longo das seis temporadas prometidas, teríamos três atrizes diferentes interpretando Betinha, no começo pode ser difícil aceitar a troca do elenco, principalmente Olivia Colman!!!! Tirando a estranheza de alguns detalhes, como a mudança na cor dos olhos de alguns atores do elenco (que para mim que sou absolutamente detalhista, incomodou horrores), aos poucos você acostuma com a nova atriz que é tão boa quanto, tanto que Olivia é uma das indicadas ao Emmy de melhor atriz em série dramática.


Quem também da as caras é Helena Bonham Carter que substitui Vanessa Kirby (Velozes e Furiosos) no papel da Princesa Margaret onde sua atuação também lhe rendeu uma indicação na categoria de melhor atriz coadjuvante em série dramática. Particularmente não acho que ela leve, embora seja uma excelente atriz, os poucos episódios em que aparece não contam com nada tão marcante que sequer justifique essa indicação. Minha esperança é que na nova temporada estreando na Netflix em breve, possa ser a chance de Helena realmente brilhar.


Outro destaque vai para Erin Doherty, que interpreta a Princesa Anna e rapidamente se torna aquela personagem que você queria fosse real para poder ser amiga e falar dos boy.

Um dos momentos mais emocionantes da temporada indicada é a posse de Príncipe Charles como Príncipe de Gales e todo o esforço que o mesmo teve para ser aceito. Diferente de sua contraparte no mundo real, Josh O'Connor (Os Miseráveis) entrega um Charles carismático e que você torce para dar tudo certo. Sei que são a mesma pessoa mas o Charles real não parece tão gentil e sangue bom como o da série.


Na metade do caminho, ou quase...


Com a nova temporada chegando dia 15 de Novembro a trama chega na metade do previsto para a série e nos apresenta um dos momentos mais esperados desde sua estréia, a introdução à Lady Day. Dado a como a série acabou e todos os escândalos que a família real já teve que lidar até aqui, esta será uma temporada digna de garantir que a série continue sendo indicada (e ganhando todas as categorias) até que seja finalizada na sua última temporada contando os acontecimentos atuais que envolvem a realeza.


0 comentário